Graças ao programa de investimentos de US$ 224 bilhões da Petrobras para explorar o pré-sal, o Brasil se tornou o maior mercado do mundo para bens e serviços petrolíferos em alto mar. Em 2010, o ex-presidente Lula se referiu às reservas submarinas brasileiras como "um bilhete premiado." A euforia do pré-sal gerou na classe política a ilusão de recursos ilimitados no horizonte.

Mas os riscos regulatórios e de ordem técnica são igualmente gigantescos. De viés nacionalista, a nova legislação do pré-sal torna a Petrobras a operadora compulsória de pelo menos 30% dos novos blocos. Tal obrigatoriedade deve sobrecarregar ainda mais a já esticada capacidade da empresa. No âmbito industrial, até 2020 a Petrobras prevê instalar 45 novas plataformas e 309 superpetroleiros e navios de apoio em alto-mar. Esta edição especial do Braudel Papers analisará o escopo e a complexidade de tais desafios.

Comentários

"Texto profundo, didático, explicativo por si só, que faz com que qualquer leitor possa entender o tema com a seriedade que ele merece."

Constantino Comninos
Curitiba, PR

"[...] considero que estamos diante de um dos seus trabalhos mais preciosos. Pesquisadores do futuro hão de fazer o confronto da realidade que vão encontrar com as reflexões que você faz com tanta profundidade."

Gilberto Paim
São Paulo, SP